Humor

Os Trapalhões

segunda-feira, às 20h30
Dia 17 de julho

Sábado, maratona com os cinco episódios, a partir das 20h15

Especial estreia dia 17 com novo quarteto, Didi e Dedé

Globo e VIVA produzem nove episódios inéditos da trupe que marcou época

Ei, psit! Tem gente nova no pedaço! O espírito trapalhão está de volta e, desta vez, com novos adeptos do humor que marcou época e influenciou gerações. ‘Os Trapalhões’, que completam 40 anos em 2017, voltam com quatro novos integrantes: Didico (Lucas Veloso), Dedeco (Bruno Gissoni), Mussa (Mumuzinho) e Zaca (Gui Santana). O quarteto, amigos de fé e irmãos camaradas, continua a “levar a vida na flauta”, mas desta vez conta com dois professores na arte da trapalhada: Didi (Renato Aragão) e Dedé (Dedé Santana), que retornam ao ar como mestres dessa trupe, para ensiná-los a arte de ser um verdadeiro ‘Trapalhão’. O sexteto reviverá uma história que conquistou o coração dos brasileiros, num resgate do humor malandro e ingênuo que mudou o lugar do riso na televisão brasileira.

“O programa traz esse jeito trapalhão de ser. Quem viveu ‘Os Trapalhões’ como eu vivi vai relembrar de grandes momentos e, quem não conheceu, vai ter a oportunidade de conhecer um tipo de humor que é só deles, com essa aura circense e essa comédia ingênua” afirma o diretor-geral da atração, Fred Mayrink, que completa: “Esse programa faz parte da minha vida, como faz parte da vida de muita gente. É um momento muito especial, de profunda alegria estar participando deste projeto. É, acima de tudo, uma grande homenagem”.

Péricles Barros, responsável pela redação final, e Mauro Wilson, que assina a supervisão de texto, falam sobre a responsabilidade e o privilégio de recriar algo tão marcante na TV. “Buscamos manter a essência do grupo. Mas tivemos a oportunidade de colocar elementos da atualidade, como GPS e videogames nas piadas. Mas o espírito das situações remete à alegria de sempre” afirma Péricles. “A volta dos ‘Trapalhões’ está baseada em dois pilares: é uma grande homenagem para quem quer matar a saudade e uma divertida novidade para quem nunca viu”, define Mauro Wilson.

No total, serão nove episódios, com estreia prevista para 17 de julho no canal VIVA e em setembro, nas tardes da Globo. E, a cada programa, diferentes esquetes que farão o público se divertir, em situações atuais e inéditas, com o humor direto, visual e cheio de improvisos. Além de quadros novos, o programa trará de volta, com uma nova roupagem, quadros que fizeram sucesso. O famoso quartel- general aparece de novo, desta vez com Ernani Morais no papel de Sargento Pincel. Outro personagem querido do público, dono do debochado bordão “Nojento! Tchan!” também voltará à cena, na voz de Tião, interpretado por Nego do Borel. Os musicais, clássicos da antiga versão da trupe também voltam no novo programa. A cada episódio, um novo número musical, onde os personagens apresentam paródias de sucessos do passado e da atualidade, e também esquetes históricos, como “Papai eu quero me casar”, que será revivido em uma nova gravação.

Outro quadro que estará de volta será a reunião de super-heróis, mas desta vez com novos vigilantes: Super Super (Renato Aragão), Capitão Ferrugem (Lucas Veloso), Homem Morcega (Dedé Santana), Menino Perereca (Bruno Gissoni), Turbo Boy (Mumuzinho), Incrível Muque (Gui Santana), Piolho Prateado (Nego do Borel) e até uma Mulher Silicone (Letícia Lima). Durante toda a temporada, o programa contará com a presença luxuosa de convidados especiais em alguns quadros, vivendo diferentes personagens e aprendendo, juntos com a nova trupe, como ser um verdadeiro trapalhão.

Ser um Trapalhão

A missão de trazer esse espírito trapalhão de volta emociona todo o elenco. “O Didi não armazena, ele quer é ser feliz. Ele vive o hoje como se não houvesse amanhã. O sentido do Trapalhão é alegrar. O que a gente mais quer é isso”, afirma Renato Aragão. Dedé Santana endossa o discurso do amigo: “O que me deixou muito feliz foi perceber que os meninos estão com a mesma alegria, química e amizade que tínhamos antigamente. Eu estou rindo com eles, e isso é muito bom. Não sei nem mensurar o tamanho da minha alegria em voltar a fazer o Dedé”.

Os meninos que formam o novo quarteto também afirmam que a responsabilidade só não é maior que a emoção e a alegria em fazer parte deste projeto. “Ser Trapalhão para mim, além da realização de um sonho de toda criança e de todo comediante, é um estilo de vida. É se dar mal e saber rir disso, é seguir em frente com leveza, achar as soluções mais bem-humoradas e estar disposto a zoar qualquer um a qualquer momento”, fala Lucas Veloso, que viverá Didico. O intérprete de Zaca, Gui Santana, concorda: “Ser Trapalhão é viver feliz intensamente. É ser puro, simples e espontâneo. Um verdadeiro Trapalhão sequer sabe do poder que ele tem em mudar um ambiente. Mas de uma coisa ele sabe: se dependesse dele, o mundo seria bem melhor”.

Mumuzinho, que viverá o Mussa, engrossa o coro. “Ser Trapalhão é ser engraçado, irreverente, desencanado. Não pensa muito no que vai falar, mas faz tudo com amor. Cada vez que a gente entrava em cena sentíamos que era uma grande responsabilidade, mas ao mesmo tempo um grande presente”, comenta, ao lembrar das gravações. “Eles tinham um lugar mágico no meu dia durante minha infância.
Davam essa pitada de felicidade através do humor que acho que só um Trapalhão pode trazer. Gravar esse programa foi algo bem mágico. Trabalhar com Didi e Dedé, ídolos de uma geração até hoje, foi algo emocionante demais”, conta Bruno Gissoni, que viverá Dedeco.

Arquivo word Copiar texto